terça-feira, 23 de agosto de 2011

Continua?


          A porta abre. Percebo que estou um pouco distante, mas  caminho sem pressa. Não gosto de lugares cheios, ainda mais sujos e aparentemente lúgubres. Porém são segundos suficientes para sair sem desespero. Um vendedor ambulante esbarra no meu ombro, passa direto. É tão comum esse ato, essa coisa de não se desculpar. Quantas desculpas esse homem teria que pedir durante uma semana?


Um comentário:

Nevark disse...

Ei, quem é vc que me identifiquei tanto!
Gostei de verdade do seu blog.. te sigo

Um beijo de parabéns,




Nevark

Copyright © 2010